Nosso blog

Quem disse que para desligar é preciso desconectar?

Desligar não significa desconectar. De jeito nenhum! Na verdade, o que realmente significa reconectar com nossas vidas, nossos amigos, nossas famílias, nossos sentimentos. Com negócios, ideias, o mundo.


um casal usando tablets na cama

Então, quando eu digo desligue, não é uma campanha contra a tecnologia. Longe disso. É uma tecnologia que me permite desconectar e conectar de novas maneiras significativas.

O professor da MIT, Sherry Turkle, que tem escrito há anos sobre o impacto da tecnologia, especialmente os seus custos humanos, escreveu no New York Times que, quanto mais nos conectamos através de dispositivos, menos conversamos com as pessoas. Nosso "eu compartilho, logo existo", está mudando não apenas o que fazemos, mas também o lado mais importante e prejudicial que somos.

Dispositivos, aplicativos, plataformas sociais não nos definem. Eles são meros amplificadores em si mesmos e não criadores.

Especialistas em desenvolvimento infantil estão preocupados. Um especialista acredita que muitos bebês estão sendo enganados por suas mães, que estão muitas vezes tão envolvidas com seus smartphones, que estão enganando seus bebês com interações cara-a-cara.

E claramente as mães e pais que verificam seus telefones incessantemente também são os pais que entregam a seus filhos iPads e iPhones cada vez que estão prestes a ficar "inquietos". Deve ser a evolução. Quando eu estava criando meus filhos, a preocupação era manter as crianças longe dos perigos de assistir TV.

No Google, fonte de inovação e da tecnologia de hoje, a pesquisa mostra que as pessoas são mais felizes quando não estão sempre conectadas com o trabalho. Então, como é que eles desconectam? Por não reflexivamente, obsessivamente verificar seu e-mail.


Preste atenção
E o que dizer quando a elite do Vale do Silício opta por enviar seus filhos à escola Waldorf? (75% dos alunos têm pais interados com alta tecnologia) - uma escola que é totalmente livre de computador, desconectada, na crença de que os computadores prejudicam o aprendizado e a criatividade.

Na verdade, o meu cenário de filme premiado com o Oscar é aquele em que todos os computadores do mundo são mortos por um único vírus do Google de propagação mortal. E os sobreviventes que herdam a terra são todos filhos de executivos do Google, todos os graduados em Waldorf.


Então, desligue.
Não porque somos contra a tecnologia. Sabemos que torna a nossa vida melhor.
Não porque nós pensamos que está destruindo a humanidade. Entendemos que ela pode fazer grandes obras.

Não é porque estamos com medo dela. Todos sabemos que a tecnologia é nossa amiga.

Na verdade, a revolução digital é humanista em seu núcleo. Não se trata de gamification, avaliação, monetização. Trata-se de usar a tecnologia para resolver problemas reais. Problemas sociais. Problemas humanos.

A verdadeira revolução digital reconhece que não se pode ter 15 mil amigos de verdade e ter qualquer coisa parecida com interações significativas. Daí o surgimento de aplicativos para acomodar o tamanho cada vez menor de redes sociais. Olhe para a compra do WhatsApp pelo Facebook.

A verdadeira revolução digital valoriza telefones limitados de baixo custo (dumbphones) tanto quanto os inteligentes (smartphones) - imagine promover ativamente algo que não seja o maior e mais recente - porque em algumas partes do mundo, os dumbphones são uma forma acessível, capaz de fazer coisas para ajudar a trazer água ou suprimentos ou conhecimento a lugares carentes.

A verdadeira revolução digital reconhece que ser desconectado acrescenta à sua capacidade de se ligar novamente. Porque nossas soluções de tecnologia serão tão boas quanto às pessoas que as fazem.

E se fizermos nossas interações humanas meramente transacionais, se mantivermos nossos polegares e nossas emoções ativos, e ainda assim, se perdermos a capacidade de conectar as pessoas, eu aposto que a tecnologia vai sofrer também.

Digital é tudo, mas nem tudo é digital.

Eu aposto que se desconectar vai nos fazer mais inteligentes sobre como usamos a tecnologia. E a tecnologia mais inteligente sobre nós.


David Sable - Global CEO at Y&R

comentários via Disqus