Nosso blog

Não tenha medo da rede: a Internet está mudando a forma como nos comunicamos... para melhor!

Pânico sobre a ascensão da mídia social é, em grande parte, exagerada e equivocada.


um homem olhando assustado para seu computador

Parece bastante óbvio para a maioria dos observadores que nossas redes sociais mudaram nas últimas décadas, graças à tecnologia. O uso generalizado de telefones celulares, a crescente disponibilidade de viagens aéreas, o surgimento da Internet e o advento das mídias sociais mudaram a forma como trabalhamos, como vivemos, como fazemos e mantemos amizades.

Para alguns, isso é motivo de preocupação. Estamos, talvez, mais sintonizados com eventos e amigos que estão a milhares de quilômetros do que com o que está acontecendo bem na nossa frente; mais propensos a compartilhar vídeos de gatinhos fofos do que jogar bola em nossos quintais. Talvez essas mudanças tecnológicas estão nos obrigando a nos retirar do mundo físico, promovendo comportamentos antissociais e minando nossos verdadeiros relacionamentos.

Barry Wellman é um sociólogo e diretor do NetLab, na Universidade de Toronto, e vem estudando o papel das redes sociais e da tecnologia ao longo de décadas.

Como argumentou Wellman, o pânico sobre a ascensão da mídia social é, em grande parte, exagerada e equivocada. A tecnologia não tem prejudicado as nossas relações sociais, embora certamente tenha afetado.

A pesquisa de Wellman mostrou que o uso da mídia social tem aumentado, ao invés de prejudicado, nossos relacionamentos pessoas. "Comunicação online - e-mail, mensagens instantâneas, salas de bate-papo, etc. - não substitui formulários off-line mais de contato - cara a cara e telefone. Em vez disso, acrescenta-se a eles, aumentando o volume global de contato". Mais especificamente, as pessoas com uma grande quantidade de conversas online têm a mesma quantidade de conversas off-line que aquelas que só conversam na segunda opção. A Internet só aumenta a frequência de comunicação.

Além do mais, o mundo online não é verdadeiramente distinto do off-line. Nós usamos a Internet e as mídias sociais em grande parte para manter contato e fazer planos com pessoas que já conhecemos das relações cara a cara. E-mail e redes sociais de comunicação não são melhores ou piores do que os presenciais; eles são apenas diferentes. E se complementam.

Para ter certeza, nossa crescente conectividade online mudou a nossa percepção do mundo social. Décadas atrás, as nossas redes sociais eram decididamente locais; falávamos principalmente com nossos vizinhos e amigos próximos e membros da família. Mais recentemente, estas redes tornaram-se, nas palavras de Wellman, "globalizadas" e ao mesmo tempo envolvidas em ambos os relacionamentos: locais e de longa distância. Este último certamente potencializado pelo serviço de tecnologia de longa distância, que na essência coloca uma casa em contato com outra.

No entanto, o surgimento de telefones celulares pessoais e mídias sociais nos permitem ficar em contato com outros indivíduos, independentemente da localização. Isso, segundo Wellman, é "individualismo em rede". Nós já não necessitamos de casas, escritórios ou cafés para ficar em contato com as pessoas; podemos fazê-lo onde quer que estejam.

Douglas Adams, sucintamente, resumiu atitudes em direção a novas tecnologias quando escreveu: "Há um conjunto de regras que diz que qualquer coisa que estava no mundo quando você nasceu é normal e natural. Qualquer coisa inventada quando você estava entre 15 e 35 é novo, revolucionário e empolgante, e você provavelmente vai sentir vontade de ter uma carreira em TI. E qualquer coisa inventada depois que você está com 35, aí é contra a ordem natural das coisas".

De fato, como Wellman argumenta, há pouco a temer, mesmo para aqueles de nós com mais de 35 anos. O mundo online não está suplantando o off-line, é reforçando esta estratégia. Não precisamos mais perder o contato com os vizinhos que se afastam ou com os amigos de escola que se formam; podemos manter os amigos para a vida e ainda fazer novos.

Ah, e para onde estamos encontrando tempo para manter contato com todas essas pessoas? Como Wellman escreve: "O tempo gasto na Internet geralmente suplanta o tempo gasto assistindo televisão do que o tempo gasto em outras formas de vida social".

Mais amizades e menos TV? Aí sim!

comentários via Disqus