Nosso blog

Evidência cresce de que as redes sociais têm efeitos negativos

Um estudo de 50 mil pessoas na Itália conclui que as redes sociais on-line têm um impacto negativo significativo sobre o bem-estar individual.



As redes sociais online têm permeado nossas vidas, com consequências de longo alcance. Muitas pessoas têm usado as redes para se conectar com amigos e familiares em partes distantes do mundo, para fazer conexões que avançaram suas carreiras nos trancos e barrancos, e para explorar e visualizar não só a sua própria rede de amigos, mas as redes de seus amigos, família e colegas.

Mas há cada vez mais evidências de que o impacto das redes sociais on-line não é tudo de bom, ou nem mesmo benigno. Uma série de estudos já começaram a encontrar evidências de que redes on-line podem ter efeitos prejudiciais. Esta questão é muito debatida, muitas vezes com resultados conflitantes e, geralmente, utilizando variedades limitadas de assuntos, tais como estudantes de graduação.

A pesquisa especificamente mede o bem-estar subjetivo e também reúne informações detalhadas sobre a forma como cada pessoa usa a Internet. A questão que Fabio Sabatini e Francesco Sarracino partiram para responder é se o uso de redes on-line reduz o bem-estar subjetivo e se sim, como.

O banco de dados de Sabatini e Sarracino é chamado de "Levantamento Multipurpose sobre as famílias", um levantamento de cerca de 24.000 famílias italianas que corresponde a 50.000 indivíduos realizado pelo Instituto Nacional de Estatística italiano a cada ano. Esses caras usam os dados extraídos a partir de 2010 e 2011. O que é importante sobre a pesquisa é ser grande e representativa a nível nacional (em oposição a um grupo de auto-seleção de alunos de graduação).

O inquérito faz especificamente a pergunta "Quão satisfeito você está com sua vida como um todo hoje em dia?", Exigindo uma resposta extremamente insatisfeito (0) a extremamente satisfeitos (10). Isto proporciona uma medida bem-estabelecida de bem-estar subjectivo.

A pesquisa também pede outras perguntas detalhadas, tais como quantas vezes as pessoas se encontram com amigos e se eles acham que as pessoas podem ser confiáveis. Ele também perguntou sobre o uso de redes sociais online como o Facebook e Twitter.

Isso permitiu Sabatini e Sarracino estudar a correlação entre o bem-estar subjetivo e outros fatores em sua vida, especialmente o uso de redes sociais. Como estatísticos eram particularmente cuidadosos para excluir correlações espúrias que podem ser explicadas por fatores como viés de endogeneidade, onde um parâmetro aparentemente independente é, na verdade, relacionado com um fator não observado relegado para o erro.

Eles descobriram, por exemplo, que as interações face-a-face e a confiança que as pessoas colocam um no outro estão fortemente correlacionadas com o bem-estar de uma forma positiva. Em outras palavras, se você tende a confiar nas pessoas e ter muita interação face-a-face, você provavelmente irá avaliar o seu bem-estar muito mais.

Mas, claro, as interações em redes sociais on-line não são cara-a-cara e isso pode afetar a confiança que você tem em pessoas online. É essa perda de confiança que pode afetar o bem-estar subjetivo em vez da própria interação online.

Sabatini e Sarracino provocam isto independente da estatística. "Nós achamos que a rede on-line desempenha um papel positivo no bem-estar subjetivo através do seu impacto sobre as interações físicas, ao passo que [o uso de] sites de redes sociais está associada com menor confiança social", dizem eles. "O efeito global da rede de bem-estar individual é significativamente negativo", concluem.

Isso é um resultado importante, pois é a primeira vez que o papel das redes on-line tem sido abordada em uma amostra tão grande e representativa a nível nacional.

Sabatini e Sarracino particularmente destacam o papel da discriminação e incitação ao ódio em mídias sociais que dizem ter um papel significativo na confiança e bem-estar. Melhor moderação poderia melhorar significativamente o bem-estar das pessoas que usam redes sociais, eles concluem.

Facebook, Twitter, e outros tomam nota.

comentários via Disqus