Nosso blog

TI é pouco usada em espaços culturais

Os equipamentos culturais no Brasil poderiam ser fortes impulsionadores de tecnologia e acesso à internet, no entanto, a falta de ferramentas tecnológicas, sobretudo entre os espaços públicos, afasta esse tipo de ativo da era digital.

PUBLICIDADE
Imagem do app da ART RIO mostrando conteúdo sobre uma obra de arte
A Go2web desenvolveu o app da ART RIO, uma das cinco maiores feiras de arte do mundo, integrado com beacons.


Um estudo divulgado em 17/01 pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) aponta que o uso de plataformas on-line ainda está muito associado à divulgação de notícias e programação, principalmente em equipamentos como arquivos, bens tombados, bibliotecas, pontos de cultura e teatros.


Pokemon GO em espaços culturais de SP
A Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo usou Pokémon GO para atrair visitantes.


De acordo com a pesquisa TIC Cultura 2016, o uso do computador é praticamente universalizado entre arquivos (99%) e cinemas (98%), mas ainda pode ser expandido, principalmente em bens tombados (69%), bibliotecas (78%) e museus (81%).

PUBLICIDADE
Exemplo do software Tesauro dentro de um museu
O software Tesauro, criado pela Go2web em parceria com a Fazer Arte, normatiza todas as informaçoes sobre quaisquer objetos de museus.


Entre as bibliotecas, o percentual cai para 42% quando recortado as que usam wi-fi. Na análise dos que disponibilizam acesso ao público, a cifra encolhe para 32%. "O wi-fi é muitas vezes utilizado para gestão interna, mas a capacidade de oferecer para o público externo exige uma infraestrutura mais robusta", comentou o coordenador da pesquisa, Fabio Senne, citando, por exemplo, que a transmissão de streaming da programação poderia ser uma ferramenta multiplicadora da cultura, mas ainda é pouco difundido nos espaços.

PUBLICIDADE
Ilustração do app blutip recebendo notificação do museu
Simulação do aplicativo blutip notificando que o Museu Imperial está perto e com novidades. É uma excelente aplicação do marketing de proximidade!


Segundo o levantamento, a presença das instituições culturais na internet também tem variações de acordo com o seu perfil. Websites próprios são mais comuns entre cinemas (73%) do que bibliotecas (9%).

O estudo revela, ainda, que a maior parte dos equipamentos culturais não possui área ou departamento de TI, nem contrata serviços nessa área, exceto no caso dos cinemas. De acordo com o estudo, a maior dificuldade para o uso de computador e internet é a escassez de recursos financeiros para investimento em tecnologia.

PUBLICIDADE
Ilustração do app blutip mostrando dados da Locomotiva em museu
Simulação do aplicativo blutip fornecendo mais informações sobre a locomotiva. É um bom exemplo da comunicação sensível ao contexto!


A solução blutip pode ser usada em museus, feiras de artes, centro culturais e outros espaços.

Texto de Paula Cristina acrescido de cases da Go2web.

comentários via Disqus