Nosso blog

Não definir um público alvo para seu app pode ser fatal

Hoje em dia na era do smartphone e tablets muitas empresas desenvolvem aplicativos sem nem mesmo pensar em qual público alvo estão focando.


Diferentes tipos de pessoas são representadas por um desenho

Philip Kotler em seu livro Princípios de Marketing postula a frase: "Não haverá mercado para os produtos que todo mundo gosta pouco, somente para produtos que alguém gosta muito"

Antes de contratar uma equipe para desenvolver um app, pare e pense: quem é seu público-alvo?

1. Defina muito bem o seu público-alvo
Você precisa saber se seu aplicativo irá resolver o problema de alguém. Pesquise, analise concorrentes, pergunte para potenciais clientes e assim defina com clareza quem é seu público-alvo. Criar personas é uma estratégia que facilita você visualizar seu futuro cliente. Tente formar as características de uma pessoa respondendo algumas perguntas como:

Como seu cliente é? Definia características físicas e psicológicas.
Qual seu nível de instrução? Renda?
Quais são as atividades mais comuns que ele realiza?
Que tipo de assunto interessaria para ele?
Quem influencia suas decisões?


2. Estime seu público usando Facebook Ads
Fingir que vai fazer uma propaganda segmentada usando o Facebook pode ser uma ótima ideia para levantar quantas pessoas possivelmente existem para usar/comprar seu aplicativo.

3. Conheça sua necessidade de mídia
Quanto maior seu público, maior será seu gasto em mídia para atingir esse público, entretanto, poucos lembram dessa regra e estimulados por resultados bilionários como do Whats App, produzem aplicativos para mercados de massa e reservam nada para mídia. Resultado: fracasso.

Exemplo (segmento): Famílias brasileiras de classes A e B com filhos em fase de alfabetização. Para esse exemplo, vamos dizer que estamos fazendo um aplicativo infantil educativo. Esse segmento é amplo. Para atingi-lo você precisará de um investimento considerável em mídia para expor seu aplicativo frente aos concorrentes. Entretanto, quando preferimos nichos a segmentos, nossa necessidade de investir em marketing pode cair drasticamente.

Por definição, segundo Philip Kotler, nicho é um grupo mais restrito, normalmente identificado pela divisão de um segmento em subsegmentos.

Exemplo (nicho): famílias brasileiras de classe A e B com filhos em fase de alfabetização, descendência alemã e que pretendem educar seus filhos tanto no português como no alemão, portanto. Para esse exemplo, vamos dizer que estamos produzindo um aplicativo infantil que auxilia a alfabetização em alemão de crianças que estão também aprendendo o português. Como este é um subsegmento, ele é um nicho. Dessa forma, não precisaremos investir tanto em marketing para atingir esse nicho, pois os segmentos são grandes e normalmente atraem vários concorrentes, nichos são menores e normalmente atraem nenhum, um ou poucos concorrentes.



Adaptado de Startupi

comentários via Disqus