Nosso blog

Go2web participa do lançamento do projeto "Mangueira Mobile"

No dia nacional do samba, a Mangueira mostra ao público seu pioneirismo no mundo mobile: a verde-rosa terá aplicativo, rádio e rede social própria.





A data não poderia ser mais apropriada para a Estação Primeira de Mangueira lançar seu inovador projeto voltado para smartphones. No dia nacional do samba, a escola "mais querida do planeta" apresenta aos profissionais de mídia, imprensa e comunidade mangueirense seu projeto Mangueira Mobile.

A Estação Primeira de Mangueira é uma das mais tradicionais escolas de samba do Rio de Janeiro, fundada em abril de 1928. Reconhecida por seu chão e sua raiz, a agremiação é carinhosamente chamada "a mais querida", título que faz jus a sua grande torcida. Agora, a Mangueira abraça o desafio de unir tradição e inovação.

Foi no carnaval deste ano que se tornou a primeira escola de samba a lançar um aplicativo de segunda-tela, em que os usuários que assistiam ao desfile podiam interagir com a Mangueira e com outros torcedores. A experiência positiva, com boa repercussão na mídia, contribuiu para o nascimento de um projeto ainda mais ousado: o Mangueira Mobile.

São três pilares de socialização que sustentam este projeto: o aplicativo oficial da Mangueira, a Rádio Mangueira e a Rede Social da Mangueira. Juntos, eles transformam a verde-rosa em pioneira no mundo mobile.

Aplicativo

Na Mangueira, o ano inteiro é carnaval. Por isso, nada melhor do que um aplicativo para os foliões acompanharem o ritmo de sua escola do coração em todos os meses do ano. Notícias da escola, quiz, informações sobre o carnaval, chat e outras funcionalidades deixam este app atraente e funcional.

Nos sábados de eliminatória do samba-enredo 2015, o aplicativo ofereceu ao torcedor a chance de votar em seu samba preferido. A plataforma interativa permitiu que usuário, ao votar, visse sua foto no mosaico do aplicativo.

Rádio Mangueira

Com uma proposta de priorizar os artistas locais da comunidade, sem deixar de lado nomes consagrados da música, a Rádio Mangueira espelha toda diversidade cultural e musical presente no morro, tesouro do samba, do partido alto, dos batuques e do funk.

Sua versão mobile tem a opção de on demand: quem acessa pode escolher o que ouvir, ao invés de acompanhar a programação normal da rádio.

Rede Social da Mangueira

Uma pesquisa do Data Popular comprovou o que quem mora na Mangueira já sabia: 94% dos moradores de comunidades são felizes. E quando perguntados se gostariam de sair da favela para morar em outro bairro, 66% respondem que não! No morro, todo mundo se diverte. 70% dos moradores recebem amigos, parentes ou vizinhos para confraternizar todos os meses.

A ideia de rede social da Mangueira é justamente mostrar ao mundo o motivo de tanta felicidade. O que faz quem nasce nessa comunidade, mesmo com tantas adversidades, dizer que não sairia dela de jeito nenhum?

Nesta rede de compartilhamento de textos, fotos e vídeos, feita por quem vive na Mangueira, os usuários conduzem a sociedade para um outro olhar diante da comunidade. Além disso, a plataforma conecta as pessoas com instituições e projetos de interesse social e cultural, colocando-as como parceiras da rede e incentivando que as mesmas divulguem seus trabalhos na rede.

Lançamento do aplicativo hoje




Com apoio do Grupo de Mídia do Rio de Janeiro, o evento contou com a presença de Marco Aurélio Freitas, CEO da Go2web e responsável pelo desenvolvimento tecnológico das plataformas; José Monteiro, vice-presidente de Projetos Especiais da Mangueira; Antônio Jorge Alaby Pinheiro, sócio-diretor do Mídia1 e professor da PUC-Rio; Renato Rangel, coordenador do Eixo Rio; Binho Cultura, escritor e articulador cultural; Ecio Salles, idealizador da Flupp e doutor em Comunicação e Cultura pela UFRJ; e a baluarte da Estação Primeira de Mangueira, Nilza Dória.

Em breve, lançamento também da rádio e da rede social da Mangueira. Baixe agora o aplicativo em sua Apple Store (iOS), no Google Play (Android) ou na Windows Store (Windows Phone).

NA MÍDIA

comentários via Disqus