Nosso blog

FCC aprova plano para considerar prioritário o pagamento na Internet

A Comissão Federal de Comunicações votou a favor de avançar uma proposta que pode mudar radicalmente a forma como os consumidores experienciam a Internet, abrindo a possibilidade de os provedores de Internet cobrar os sites por entrega de alta qualidade no seu conteúdo para os consumidores americanos.


o botão enter do teclado escrito pay

O plano poderia desencadear uma nova economia na Web onde um provedor de serviços de Internet, tais como Verizon iria cobrar um site como Netflix para ter um streaming de vídeo mais rápido. A proposta iria, no entanto, proibir as empresas de bloquear os sites por completo.

O plano não é uma regra final, mas a votação é um passo significativo. A ideia chamou a atenção da oposição feroz dos defensores dos consumidores, pesos pesados do Vale do Silício, e os legisladores democratas. A FCC vai abrir a proposta por um total de 120 dias de comentário público. Regras finais, com o objetivo para o final do ano, podem ser reescritas depois que a agência analisar os comentários do público, na esperança de encontrar abordagens mais viáveis para manter a Internet livre e aberta.

Os críticos do plano, tal como está agora, se preocupam que iria marcar o fim da neutralidade da rede, o princípio que diz que todo o conteúdo on-line deve ser tratado igualmente pelos provedores de serviços de Internet.

Após semanas de clamor público sobre a proposta, o presidente da FCC, Tom Wheeler, disse que a agência não permitiria práticas desleais de negócios ou "comercialmente irracionais". Ele não aceitaria, por exemplo, práticas que deixam o consumidor com os downloads mais lentos em alguns sites do que o que o consumidor pagou a partir de seu provedor de serviços de Internet.

Wheeler avançou com uma proposta que poderia permitir novos acordos comerciais entre os provedores de Internet - como a AT&T, Verizon e Time Warner Cable - e provedores de conteúdo da Web, tais como Facebook, Google e startups on-line para tratamento preferencial online. Mas ele também perguntou se esses acordos devem ser banidos.

A perspectiva de empresas de telecomunicações cortando ofertas com os provedores de conteúdo gerou críticas ferozes por parte dos investidores, startups e grandes empresas do Vale do Silício. Eles dizem que as empresas menores, que não têm dinheiro para pagar por uma entrega mais rápida, provavelmente enfrentam obstáculos adicionais contra rivais maiores. E os consumidores podiam ver um efeito trickle-down de preços mais altos com sites tentando repassar novos custos de fazer negócios com os provedores de Internet.

Mesmo uma das comissárias democratas que votou sim expressou algumas dúvidas sobre a forma como a proposta foi tratada.

"Eu teria feito isso de forma diferente. Eu teria tido tempo para considerar o futuro", disse a comissária democrata Jessica Rosenworcel, para ela a proposta não pode permitir pistas rápidas para as empresas mais privilegiadas. A comissária disse que apoiou uma proposta que permite a agência considerar perguntas sobre como pode impedir que certos sites fossem bloqueados, além de descobrir a supervisão geral dos provedores de Internet de banda larga.
"Acredito que o processo que nos levou a regulamentação hoje foi falho", disse ela. "Eu teria preferido um atraso."

A comissária democrática Clyburn disse que ela também tinha preocupações com a proposta, mas depois que um tribunal federal de apelações em janeiro derrubou a tentativa anterior da FCC de implementar regras de neutralidade da rede, ela sentiu a urgência de aprovar as regras de base que impeçam o bloqueio de sites.

Wheeler procurou defender seu plano, sublinhando que os consumidores teriam uma base de serviço garantida e que a agência iria reforçar a fiscalização das empresas que atingem os negócios que são prejudiciais para os consumidores ou anti-competitivos. A agência está considerando a nomeação de um ombudsman para supervisionar a indústria da Internet de banda larga, dizendo que iria cuidar dos abusos caso-a-caso.

"Se um operador de rede diminuiu a velocidade do serviço abaixo do que o consumidor comprou, seria comercialmente razoável e, portanto, proibido", disse Wheeler. "Se a operadora bloqueou o acesso a conteúdos lícitos, violaria a nossa regra de não-bloqueio e, portanto, seria duplamente proibido."

Ele não forneceu muitos exemplos do que seria uma prática "comercialmente razoável", o que poderia deixar espaço para a interpretação.

Mas alguns defensores dos consumidores duvidam que a FCC possa efetivamente fazer cumprir as práticas anti-competitivas ou garantir que os consumidores não estejam presos com menos escolhas ou serviço mais pobre. Eles observam que a FCC só vai investigar denúncias que cheguem a eles, e muitas pequenas empresas e consumidores não têm recursos para alertar a agência.

"Ninguém sabe realmente como o teste comercialmente razoável seria parecido", disse Gabe Rottman, assessor de política no ACLU. "Mesmo com a Comissão atual agindo de boa fé, e não temos nenhum motivo para pensar que não, um teste totalmente vago sempre levanta a possibilidade de uso indevido."

Para os ativistas, a proposta permitindo que provedores de banda larga gerenciem o tráfego de maneiras "comercialmente razoáveis" pode colocar a neutralidade em risco com a criação de várias vias rápidas de tráfego na internet, o que forçaria degradações de tráfego em toda a rede.

Wheeler defendeu sua proposta, "Há uma Internet. Deve ser rápida, tem que ser robusta, e deve ser aberta". "A perspectiva de um gatekeeper escolher vencedores e perdedores na internet é inaceitável."

Uma ideia aplaudida pelos grupos de consumidores foi a questão em aberto sobre se o governo deveria redefinir a Internet de banda larga como um serviço público, como serviço de telefone, que viria com muito mais supervisão da FCC.

Provedores de Internet se opõem fortemente a ideia.

Tratar a banda larga como um utilitário iria "reverter anos de precedente estabelecido, secar o investimento na implantação da banda larga e upgrades de rede, e resultar em litígio prolongado e incerteza de mercado", disse Michael Powell, presidente da Associação Nacional de Cabo e Telecomunicações, e ex-chefe da FCC, em um comunicado.

A proposta da FCC provocou uma briga enorme entre duas das indústrias mais poderosas do país - de um lado, o Vale do Silício, e por outro lado, empresas como a Verizon e AT&T, que construíram os tubos de entrega de conteúdo da Web para as casas dos consumidores. As empresas de telecomunicações argumentam que, não sendo capazes de cobrar das empresas de tecnologia por conexões de alta velocidade, eles não conseguirão investir em conexões mais rápidas para os consumidores.

Antes de uma votação final, os americanos têm quatro meses para expressar a sua opinião e as preocupações com a FCC.

comentários via Disqus