Nosso blog

Faça a transição para o IPV6

Cada computador no mundo tem um número de série de IP e tem como objetivo interligar duas ou mais redes separadas.


imagem mostra logo do World IPV6 Day



A internet como conhecemos hoje é regida por um protocolo de comunicação usado pelos computadores, que se chama IP. Cada computador no mundo tem um número de série de IP e tem como objetivo interligar duas ou mais redes separadas.

O protocolo de IP atualmente está em sua quarta versão, rotulada como IPv4, considerada bastante antiga e problemática. A nova geração do protocolo IP, o IPv6, resolve grande parte dos problemas de segurança da internet hoje, herdados justamente do projeto antiquado do IPv4.

Será necessário a coexistência entre as duas versões do IP. Quando não é possível utilizar os dois protocolos juntos numa mesma rede (pilha dupla), pode-se usar a técnica de túneis. Conhecidas como IPV6-in-IPV4, elas fazem o encapsulamento dos pacotes IPV6 dentro de pacotes IPV4. Ele organiza endereços de origem e destino para a formatação do pacote IPV4 e colocar no cabeçalho o protocolo 41. Quando o destino receber o pacote com o protocolo 41, irá remover o cabeçalho IPV4 e utilizar o resto, que é o cabeçalho do IPV6.

Uma das maneiras de utilizar túneis é criando-os manualmente. Outra técnica seria a 6over4, que utiliza um túnel estabelecido entre dois nós IPV4 para trafegar IPV6. Todo o tráfego IPV6 a ser enviado, é encapsulado dentro do IPV4, usando IPV6-in-IPV4. Esse tipo de túnel é utilizado para ser transparente para um equipamento sem suporte a IPV6 numa rede, ou para criar túneis estáticos entre duas redes IPV6, através de um segmento IPV4, como a internet.

A principal diferença entre essas duas técnicas é que o túnel 6over4 é estabelecido manualmente e permite conexão IPV6 entre dois nós de rede interligados por uma rede baseada em IPV4 usando o encapsulamento IPV6-in-IPV4. Já o IPV6-in-IPV4 utiliza o protocol 41, que pode ser utilizado em outras técnicas de transição que transportam IPV6 por redes IPV4.

comentários via Disqus