Nosso blog

Eu dei like em tudo que vi no Facebook por dois dias. Aqui está o que aconteceu comigo.

Há uma ótima citação do Andy Warhol que você provavelmente já viu antes: "Acho que todo mundo deveria gostar de todos". Você pode comprar cartazes e placas com fotos de Warhol, parecendo a capa de um álbum de Belle & Sebastian, com essa frase estampada no seu rosto em Helvetica. Mas a citação completa, tirada de uma entrevista de 1963 em Art News, é uma grande descrição de como nos relacionamos com as mídias sociais hoje.


ícone de curtir do facebook

Warhol: Alguém disse que Brecht queria que todos pensassem da mesma forma. Quero que todos pensem da mesma forma. Mas Brecht queria fazê-lo através do Comunismo, de certa forma. A Rússia está fazendo sob o governo. Está acontecendo aqui por si só, sem estar sob um governo rigoroso; então se está funcionando sem tentar, por que não pode funcionar sem ser comunista? Todo mundo se parece e age da mesma forma, e nós estamos ficando mais e mais dessa forma.
Acho que todo mundo deveria ser uma máquina. Acho que todo mundo deveria gostar de todos.
Art News: É sobre isso que o Pop Art fala?
Warhol: Sim. Gostando de coisas.
Art News: E gostar das coisas é como ser uma máquina?
Warhol: Sim, porque você faz a mesma coisa o tempo todo. Você faz isso várias vezes.

O like e o favoritar são as novas métricas de sucesso, muito literalmente. Não só eles são alimentadores de ego para as coisas que colocamos on-line, como indivíduos, mas os anunciantes acompanham suas campanhas no Facebook pela frequência com que elas são curtidas. Um recente artigo do New York Times em uma campanha publicitária de óleo de krill põe mostra o quanto as questões do like são importantes para os anunciantes. Dar like é um ato econômico.

Eu dou like em tudo. Ou pelo menos eu dei, por 48 horas. Literalmente tudo que o Facebook me mostrou, eu dei like, mesmo que eu odiasse. Eu decidi embarcar em uma campanha de gosto consciente, para ver como isso afetaria o que o Facebook me mostrava. Eu sei que isso soa como um golpe (e foi), mas também foi realmente apenas uma experiência em aberto. Eu não tinha certeza de quanto tempo eu iria manter isso (Suportei por 48 horas) ou o que eu iria aprender (possivelmente nada.)

O Facebook utiliza algoritmos para decidir o que aparece no seu feed. Não é apenas um desfile de atualizações sequenciais de seus amigos e as coisas que você manifestou interesse. Em 2014, o News Feed é uma apresentação altamente de curadoria, entregue a você por uma fórmula complicada com base nas ações que você toma no site e em toda a web. Eu queria ver como minha experiência com o Facebook mudaria se eu constantemente recompensasse os robôs que estão tomando essas decisões por mim, se eu continuamente dissesse: "bom trabalho, robô, eu gosto disso." Eu também decidi que só faria isso no próprio Facebook - tentar dar like em tudo que me deparasse na web aberta seria muito assustador. Mas mesmo quando eu mantive a experiência só no próprio site, os resultados foram dramáticos.

EXISTE UMA FORMA MUITO ESPECÍFICA DAS MENSAGENS DO FACEBOOK, PROJETADAS PARA QUE VOCÊ INTERAJA. E SE VOCÊ MORDER A ISCA, VOCÊ SÓ VAI VER COISAS REPETIDAS.

A primeira coisa que eu curti foi o Living Social - meu amigo Jay tinha curtido antes de mim e estava logo no topo do meu news feed. Eu curti mais duas atualizações de amigos. Por enquanto, tudo bem. Mas a quarta coisa que encontrei foi algo que eu não gosto muito. Quer dizer, na verdade eu não gosto do Living Social, seja lá o que isso é, mas quem se importa. Mas esta quarta coisa era algo que eu meio que não gostava mesmo. Uma piada ruim ou, pelo menos, uma idiota. Eu curti mesmo assim.

Uma coisa que eu tinha que decidir de imediato era o que fazer com os itens relacionados que aparecem depois que você curte alguma coisa. Vamos dizer que você curta uma história sobre vacas que você viu na Modern Farm. O Facebook irá apresentar imediatamente mais quatro opções para curtir coisas abaixo dessa história da vaca, "relacionados" na linguagem do Facebook. Provavelmente mais histórias sobre as vacas ou a agricultura.

Relacionados rapidamente se tornou um problema, porque assim que você curte um, o Facebook o substitui por outro. Então, assim que eu curti os quatro itens relacionados abaixo de uma história, ele imediatamente me deu mais quatro. E, em seguida, mais quatro. E, em seguida, mais quatro. E, em seguida, mais quatro. Logo percebi que eu estaria preso em um loop relacionado para a eternidade, se eu continuasse com isso. Então, eu estabeleci uma nova regra: eu iria curtir apenas os quatro primeiros que o Facebook mostrasse.

Às vezes, curtir é contra-intuitivo. Minha amiga Hillary postou uma foto de uma criança com hematomas no rosto. Foi intitulado "Pérola vs concreto." Eu não gostei nada disso! Era triste. Normalmente, seria o tipo de item na news feed que eu me sentiria obrigado a deixar um comentário, em vez de apertar o botão de curtir. A única vez que eu me recusei a dar like em alguma coisa foi quando um amigo postou sobre a morte de um parente. Eu tinha acabado de ter uma morte em minha família na semana passada. Era uma ponte que eu não iria atravessar.

Mas ainda havia muito mais para curtir. Eu curti uma das atualizações do meu primo, que ele tinha re-compartilhado de Joe Kennedy, e posteriormente foi sitiada com os likes de Kennedys (mais um Clinton e Shriver). Eu curti o Hootsuite. Eu curti o The New York Times, curti Cupom Clipinista. Eu curti algo de um amigo que eu não falava em 20 anos, algo sobre seu filho, acampamento e uma cobra. Curti a Amazon. Eu curti Kohl.

Meu News Feed assumiu um caráter totalmente novo em um surpreendentemente curto espaço de tempo. Após dar check-in e curtir um monte de coisas ao longo de uma hora, não havia mais seres humanos no meu feeds. Tornou-se sobre marcas e mensagens, ao invés de seres humanos com mensagens.

Quase todo o meu feeds foi entregue à Upworthy e ao Huffington Post. Quando eu fui para a cama na primeira noite e fiquei olhando meu feed de notícias, as atualizações que eu vi foram (em ordem): Huffington Post, Upworthy, Huffington Post, Upworthy, anúncio da Levi, Space.com, Huffington Post, Upworthy, The Verge , Huffington Post, Space.com, Upworthy, Space.com.

Além disso, quando eu fui para a cama, eu me lembro de pensar "Ah, droga. Eu tenho que curtir algo sobre Gaza ", quando apertei o botão curtir em um post com uma mensagem pró-Israel.

Na manhã seguinte, os itens em meu feed de notícias haviam mudado muito, muito longe para a direita. Estão oferecendo a oportunidade de curtir a segunda emenda e algum tipo de página anti-imigrante. Eu curti os dois. Eu curti Ted Cruz. Eu curti Rick Perry. O Tribunal Conservador apareceu de novo, e de novo, e de novo em meu Feed de notícias. Eu começo a entender sua sintaxe muito particular. Normalmente, foi algo como isto:

Uma frase contando algumas notícias controversas. Boa!

Uma frase explicando por que isso é bom.

Uma call to action, muitas vezes terminando com uma pergunta?

Uma vez que eu vejo esse padrão, eu começo a perceber isso em todos os lugares. SF Gate, a presença do San Francisco Chronicle na web, usa uma tática similar. É uma forma muito específica de mensagens do Facebook, projetado para levá-lo a interagir. E se você morder a isca, você vai ser mostrado isso ad nauseam.

Eu também fiquei impressionado com o quão diferente meu feeds estava no celular e no computador, mesmo quando vistos ao mesmo tempo. No final do primeiro dia, eu notei que no celular, meu feeds era quase completamente desprovido de conteúdo humano. Eu só fui presenteado com a oportunidade de curtir histórias de vários sites e vários outros anúncios. No entanto, no computador, enquanto ainda na sua maioria era conteúdo de marca, eu continuei a ver as coisas de meus amigos. Na tela menor, os robôs do Facebook decidirem que a maneira de manter a minha atenção é esconder as pessoas e só mostrar as coisas que outras máquinas têm bombeado. Estranho.

O primeiro dia se passou e chegando no segundo dia eu comecei a temer ir para o Facebook. Tornou-se um templo de provocação. Assim como o meu feed de notícias tinham se afastado mais e mais à direita, também fez isso mais e mais à esquerda. Rachel Maddow, Raw Story, Mother Jones, Daily Kos e todo tipo de outras coisas esquerdista foram intercaladas com itens que são da direita. Eu fiquei resistente a curtir por medo de acabar em algum tipo de lista de observação.

PARE O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO E OLHE ESSE BEBÊ QUE PARECE EXATAMENTE COM O JAY-Z.

Este é um problema muito maior do que o Facebook. Isso me lembrou do que pode dar errado na sociedade, e por que agora muitas vezes falam um com o outro, em vez de um para o outro. Montamos nossas bolhas de filtro político e social e eles se reforçam, as coisas que lemos e assistimos tornaram-se hiper-nicho e atendem aos nossos interesses específicos. Descemos buracos de coelho de interesses especiais, até que estamos perdidos no jardim da rainha, xingando todo mundo acima do solo.

Mas talvez pior do que os tons políticos rebeldes que meu feed assumiu foi o quão profundamente estúpido se tornou. Eu sou dado a chance de curtir um post do Buzzfeed de algum homem dançando, e outro que pergunta qual Titanic Character Are You? Um terceiro posto do Buzzfeed me informa que "O Backup Dancer da Katy Perry é o Mancandy que você merece." De acordo com a revista New York, Eu sou "oficialmente velho" porque Malia Obama foi ao Lollapalooza (curtir!) e a CNN me diz "Marido explora seu Instintos man-ternal" ao lado de uma foto de um homem sem camisa colocando seus mamilos. Uma nuvem que parece um pênis. Pare o que você está fazendo e olhe para esse bebê que parece exatamente como Jay-Z. Meu feeds foi mostrando quase só o pior tipo de coisa que todos nós dos meios de comunicação são cúmplices por produzir e que deveria também ser profundamente envergonhado. Lixo sensacional. Eu curti tudo.


screen shot das atividades realizadas no facebook



Enquanto eu esperava que o que vi poderia mudar, o que eu nunca esperava foi o impacto que meu comportamento teria sobre os feeds dos meus amigos. Eu ficava pensando que o Facebook iria me limitar, mas em vez disso, ficou cada vez mais voraz. Meu feeds se tornau um lugar de marcas e política e, como eu interagia com eles, o Facebook obedientemente informou a todos os meus amigos e seguidores.

Naquela primeira noite, um pequeno círculo pequeno com uma cabeça de cachorro apareceu no canto do meu telefone. A cabeça de bate-papo, a partir do software Messanger do Facebook! O cão acabou por ser o meu antigo editor da WIRED, John Bradley. "Você foi hackeado", ele queria saber. Na manhã seguinte, minha amiga Helena me enviou uma mensagem. "Minha news feed do fb é, literalmente, artigos que você curtiu, é meio engraçado", diz ela. "Nada de outros amigos, apenas curtidas do Honan." Eu respondi com um polegar para cima. Isto continuou durante todo o experimento. Quando eu postei uma atualização de status no Facebook dizendo "eu gosto de você", eu ouvi de muitas pessoas que a minha atividade esquisita estava enchanedo o feed deles. "O meu newsfeed é 70% coisas que o Mat curtiu", observou meu amigo Heather. Por fim, eu iria ouvir de alguém que trabalhava no Facebook, que havia notado a minha atividade e queria me conectar com o departamento de relações públicas da empresa.

Mas eu já tinha colocado um fim a isso, de qualquer maneira, porque era muito horrível. Tentei contar a quantidade de coisas que eu curti ao olhar no meu registro de atividades, mas era muita coisa. Eu tinha adicionado mais de mil coisas para as minhas curtidas, a maioria dos quais eram página repugnantes ou na melhor das hipóteses banal. Por curtir tudo, eu tornei o Facebook um lugar onde não havia nada que eu gostava. Para ser honesto, eu realmente não gostei disso. Eu não gostei do que eu tinha feito.


Por Mat Honan, Wired

comentários via Disqus