Nosso blog

Como funcionam os hits de sucesso no mundo do Streaming

A era digital colocou a indústria da música de cabeça para baixo - e está mesmo redefinindo o que podemos considerar um álbum de sucesso. Depois da quase destruição completa durante o início da década de 2000, o streaming começa a oferecer benefícios a longo prazo que a indústria fonográfica antes só poderia sonhar.

"Nós construímos esta indústria com base em hits de sucesso e esse modelo não funciona para streaming, que demanda longevidade e variedade", diz Sammy Edwards da gravadora Cooking Vinyl. Sua fala foi parte de um painel sobre o papel de empresas como o Spotify e Warp Records na conferência de música e festival The Great Escape, em Brighton. O evento reúne artistas, gravadoras, produtores, promotores e outros profissionais de música para debater as mudanças provocadas por serviços de streaming.


Logo do Spotify


Como a receita gerada pela música digital vai finalmente ultrapassar aquela gerada pela mídia física este ano, fica claro como este tipo de serviço pode parecer importante para a indústria fonográfica. Uma das questões mais importantes com a hegemonia de serviços como o Spotify e o Deezer é redefinir o que é um disco de sucesso e como ele ganha dinheiro.

"Você tem que olhar para o artista e para os fãs. Existem vários objetivos diferentes que estamos trabalhando agora, tentando garantir que tudo não aconteça na primeira semana de lançamento."

O valor potencial em longo prazo do streaming desafia o processo tradicional de lançar um single e a explosão de publicidade que sucede esse tipo de produto. O objetivo era alcançar os números mais altos nas paradas de sucesso no momento do lançamento, para depois ir saindo aos poucos.

"No passado, era muito mais fácil pensar em um fã essencialmente como uma venda", diz Will Hope, diretor de relações do Spotify. "Eles vão e compram [o CD], é isso, e você não tem que se preocupar com eles nunca mais. E isso significava que o valor econômico de todos os fãs é o mesmo.


Foto do lançamento do serviço TIDAL
O caminho a não se seguir: o lançamento do Tidal.



Agora, um fã é alguém que tem potencial de ouvir algo várias vezes durante um longo período de tempo, o que torna o valor econômico de cada fã é variável. Eles são ouvintes diários? Eles são ouvintes semanais? É uma relação com muito mais nuances entre o artista e fã. "

Então como é que podemos medir um hit em um serviço de streaming? O Spotify rastreia todo o processo de popularização de uma música nova a partir de seu nascimento, ao observar como os ouvintes a estão escutando. Quando é lançada uma nova música, ela sai no geral a partir da página do artista, com os ouvintes descobrindo ela por fora, seja pela TV ou outros locais da internet. "A faixa é descoberta e ouvida pelo que chamamos de early adopters", diz Hope, "e então eles compartilham ela com seus amigos."

As canções também podem ser promovidas de outras formas, aparecendo em listas feitas por usuários ou pelo próprio Spotify, muitas vezes presentes na página inicial do serviço. Estas playlists com curadoria são atualizadas regularmente para adicionar novas músicas, tornando-as, em alguns aspectos, um equivalente as paradas de sucesso tradicionais.

O maior desafio, no entanto, é como garantir que uma faixa continue sendo escutada, a melhor forma de se ganhar dinheiro no serviço. Ou seja, você precisa que o usuário a coloque em sua própria coleção de favoritos.

Apesar disso, como manter alguém interessado nesse serviço, ou seja, voltando para ouvir mais músicas no Spotify? "Conteúdo variado é fundamental ", diz Hope, esse novo material pode vir na forma de mais lançamentos, clássicos eternos e assim por diante.

Leah Ellis, diretora da Warp Records, identifica algumas maneiras de obter a atenção do fã como novos vídeos, prêmios, listas de competições no Facebook e etc. Ela descreve-os como um "monte de diferentes blocos de informação que sejam viáveis para os fãs, para o artista e para a rádio." Estas formas de atingir os ouvintes são especialmente importantes para os artistas que, já entenderam que o novo modelo não é nenhum pouco amigável com o antigo formato de singles e grandes hits.

Este é apenas um pequeno aspecto do que estamos presenciando no mundo atual, em termos de mudanças pela adoção de serviços de streaming. A verdade é que muito mais coisas, inclusive algumas impossíveis de predizer devem ocorrer nos próximos anos conforme nossa indústria fonográfica começa a se converter para o mundo digital.

comentários via Disqus